Dólar vira e passa a subir após ser cotado a R$ 3,10

Na véspera, moeda recuou 0,77%, vendido a R$ 3,1276, menor patamar de fechamento desde 25 de outubro (R$ 3,1065).

O dólar opera em alta nesta terça-feira (31), após ter caído a R$ 3,10 mais cedo, de olho no mercado externo e influenciado pelo leilão de linha anunciado pelo Banco Central.

Às 15h39, a moeda norte-americana subia 0,69%, vendida a R$ 3,1494. Veja a cotação.

Acompanhe a cotação ao longo do dia:

Às 9h09, queda de 0,16%, a R$ 3,1223
Às 10h19, queda de 0,72%, a R$ 3,1048
Às 12h10, alta de 0,28%, a R$ 3,1364
Às 13h59, alta de 0,60%, a R$ 3,1464
Às 14h40, alta de 0,60%, a R$ 3,1465

fonte  G1

Crescimento da zona do euro deve desacelerar em 2017

Principal motor, que é a demanda doméstica, irá diminuir, diz comissão.  Crescimento diminuirá para 1,7% neste ano, ante 2% em 2015.

09/11/2016 10h39 – Atualizado em 09/11/2016 10h41

O crescimento da zona do euro vai desacelerar no próximo ano porque seu principal motor, a demanda doméstica, irá diminuir como resultado de um provável aumento dos preços da energia, enquanto a inflação deve acelerar, disse a Comissão Europeia nesta quarta-feira.

Em uma projeção econômica regular para os 28 países que compõem a União Europeia, o braço executivo da UE disse que o crescimento nos 19 países que compartilham o euro diminuirá para 1,7% neste ano, ante 2% em 2015, e para 1,5% em 2017. A expansão só deve se recuperar novamente em 2018, para 1,7%.

A inflação, que o Banco Central Europeu quer manter abaixo mas perto de 2% no médio prazo, deve acelerar a 0,3% neste ano ante zero no ano passado, e para 1,4% em 2017 e 2018, disse a comissão.

Fonte

Arrecadação de impostos federais cai 2,97% em 2016, a R$ 1,29 tri

A arrecadação de impostos federais totalizou R$ 1,29 trilhão em 2016, queda de 2,97% na comparação com o ano anterior, informou a Receita Federal nesta sexta-feira (27). Foi o pior resultado em seis anos, desde 2010. No mês de dezembro, a soma arrecadada foi de R$ 127,607 bilhões, 1,19% menor que o valor registrado no mesmo mês de 2015. De acordo com a Receita, foi o pior desempenho para o mês desde 2009. (Com Reuters) Leia Mais