Bovespa fecha em queda de 2,49% com cenário político no radar

O principal índice de ações da B3 fechou em forte queda nesta terça-feira (5), em meio a um quadro indefinido no exterior, enquanto a cena política interna ainda alimentou incertezas em relação ao desfecho das eleições em outubro.

O Ibovespa caiu 2,49%, a 76.641 pontos. Veja mais cotações.

As ações ordinárias da Eletrobras recuaram 7,8% e as preferenciais caíram 8,1%, depois que um tribunal do Rio de Janeiro determinou a interrupção no processo de privatização da estatal e de seis distribuidoras. A venda das subsidiárias é vista como o último grande catalisador para a ação, já que a desestatização da elétrica neste ano é improvável.

Os papéis de Itaú Unibanco e Bradesco recuaram com força, em meio à piora no pregão, pesando no Ibovespa dada a elevada participação que ambos detêm no índice.

A Petrobras também registrou forte queda. As ações ordinárias recuaram 3% e as preferenciais perderam 5,3%. O desempenho da empresa segue prejudicado por causa das incertezas em relação à autonomia da petroleira de controle estatal. Investidores seguem monitorando notícias sobre a política de preços da companhia.

A bolsa segue fragilizada pela saída de estrangeiros, com maio registrando saldo negativo de R$ 8,4 bilhões e junho começando com saída líquida de quase R$ 1 bilhão.

Além disso, permanece o receio com o desfecho das eleições em outubro e a incerteza se o próximo presidente vai seguir com a agenda de reformas.

A disparada do dólar ante o real também pesa no pregão de acordo com um dos gestores ouvidos pela Reuters.

“Há também o impasse em resolver a questão relacionada aos preços dos combustíveis, o que acaba pesando em Petrobras, papel com peso relevante no Ibovespa”, disse o gestor Marco Tulli Siqueira, da mesa de operações de Bovespa da Coinvalores.

No final da manhã, o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou que não há espaço para subsídio para a gasolina.

No último pregão, o Ibovespa fechou em alta de 1,76%, a 78.596 pontos, ajudado pelo viés positivo no mercado externo e pela recuperação das ações da Petrobras, após a indicação de Ivan Monteiro para a presidência da empresa em substituição a Pedro Parente, e com o mercado de olho em possíveis mudanças na política de preços da estatal.

Pontuação de fechamento
28/125/111/117/123/130/105/0209/0219/0223/21/37/313/319/323/329/35/411/417/423/427/044/0510/516/522/0528/504/0672,5k75k77,5k80k82,5k85k87,5k90k
Fonte: B3

(*com Reuters)

Retirado de: https://g1.globo.com/economia/noticia/bovespa-05-06-18.ghtml

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *