Dólar opera em alta, no patamar de R$ 3,65, com exterior e atuação do BC

“O dólar opera em alta nesta quarta-feira (23), influenciado pela aversão ao risco no exterior com renovados temores sobre as relações comerciais entre China e Estados Unidos e em meio a preocupações com a Turquia, segundo a Reuters.

Às 11h25, a moeda dos EUA subia 0,22%, vendida a R$ 3,6531. Veja mais cotações.

O movimento de alta, no entanto, era suavizado pela atuação mais forte do Banco Central brasileiro no mercado cambial nos últimos dias, ainda de acordo com a Reuters.

“A Turquia preocupa porque é emergente e um destino de investimentos comparável com o Brasil. Sempre existe temor de contágio, de respingo”, afirmou à Reuters o diretor de operações da corretora Mirae, Pablo Spyer.

A lira turca tem despencado frente ao dólar com os investidores temerosos com as sinalizações de que o presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, quer influenciar a política monetária do país.

Nesta sessão, o dólar saltava cerca de 4% frente à divisa turca. O movimento aumentou as expectativas de que o banco central do país possa ser forçado a convocar uma reunião extraordinária para elevar a taxa de juros antes de seu próximo encontro, em 7 de junho.

O dólar também subia ante uma cesta de moedas e outras divisas de países emergentes, como os pesos chileno e mexicano.

Os mercados voltaram a ficar apreensivos de que os Estados Unidos e a China possam iniciar uma guerra comercial, após o presidente norte-americano, Donald Trump, afirmar que está insatisfeito com as negociações comerciais com a China.

Os investidores também aguardam a ata do último encontro de política monetária do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, que pode trazer nesta tarde pistas sobre a trajetória de juros no país neste ano.

De modo geral, os mercados vinham tomando posições defensivas diante das perspectivas de que o Fed possa elevar os juros mais do que o esperado neste ano, movimento que teria potencial para afetar o fluxo global de capitais.

A pressão de alta vinda de fora era aliviada pela ação mais intensa do BC brasileiro, por meio de ofertas de swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda de dólares no mercado futuro.

O BC também fará leilão de até 4.225 swaps cambiais tradicionais para rolagem do vencimento de junho. Se mantiver e vender esse volume diário até o final do mês, terá rolado integralmente os contratos que vencem no mês que vem.

Véspera

Na véspera, o dólar fechou em queda de 1,18%, a R$ 3,6451. Foi o menor patamar de encerramento desde o último dia 14 (R$ 3,6275). Nas duas últimas sessões, a queda foi de 2,56%, a mais intensa desde a baixa acumulada entre os dias 24 e 25 de janeiro deste ano (-3,26%), segundo o Valor Pro.

Variação do dólar em 2018
Diferença entre o dólar turismo e o comercial, considerando valor de fechamento
em R$dólar comercialdólar turismo (sem IOF)12/125/111/117/123/129/12/28/216/222/228/26/312/316/322/328/34/410/416/420/426/43/59/515/521/0533,23,43,63,84
Fonte: Valor PRO

O real cai 9,1% no acumulado de 2018, terceiro pior desempenho global – peso argentino (-23,3%) e lira turca (-18,8%) perdem ainda mais.

Na véspera, o recuo do dólar ocorreu em meio ao alívio nas tensões entre a China e os norte-americanos e também em razão da atuação mais firme do Banco Central, que ampliou a oferta de novos swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, e deixou novas atuações em aberto.

Dólar fecha em queda pelo 2º dia seguido, e R$ 3,64

Dólar fecha em queda pelo 2º dia seguido, e R$ 3,64

Se confirmado, será a maior colocação de dólares para um mês desde maio do ano passado, quando, na esteira das delações da JBS, o BC injetou US$ 10 bilhões no mercado futuro via swaps, segundo o Valor Pro.

Na terça, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, reiterou a disposição do BC em vender swaps em caso de necessidade. Em entrevista ao Valor, Ilan disse que “não tem preconceito” contra a venda desses contratos – cuja colocação equivale a uma injeção de dólares no mercado futuro. O presidente do BC acrescentou que a redução do estoque de swaps – da casa de US$ 100 bilhões para cerca de US$ 23 bilhões – foi para ter um “amortecedor” para os momentos em que isso fosse necessário. Ilan também não estipulou limite para a venda dos swaps.”

Extraido de: https://g1.globo.com/economia/noticia/cotacao-do-dolar-em-23052018.ghtml

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *