Dólar opera em alta, ainda em meio a incertezas sobre eleições na Europa

O dólar opera em alta em relação ao real nesta quarta-feira (8), acompanhando o comportamento da moeda no exterior em meio a incertezas sobre as eleições na França e na Alemanha. No entanto, a expectativa de ingresso de dólares no Brasil por causa da captação de recursos pelas empresas ainda limita o avanço da moeda dos Estados Unidos em relação ao real.

Às 12h49, a moeda norte-americana subia 0,30%, a R$ 3,1267 na venda. Veja a cotação do dólar hoje.

Acompanhe a cotação ao longo do dia:
Às 9h29, alta de 0,37%, a R$ 3,1287
Às 10h19, alta de 0,26%, a R$ 3,1252
Às 11h29, alta de 0,27%, a R$ 3,1255
Às 11h59, alta de 0,26%, a R$ 3,1253

O mercado repercute preocupações com o desfecho das eleições na Alemanha e, sobretudo, na França. Pesquisa do JPMorgan mostrou que o euro pode cair rapidamente a um nível abaixo da paridade com o dólar caso Le Pen vença as eleições de maio.

“O mercado está com os olhos voltados para o exterior, para as eleições na França. Se a Marine Le Pen vencer, pode ser o fim do euro, isso causa algum estresse”, comentou na terça-feira (7) à Reuters um profissional de câmbio de uma corretora local.

Além da disputa eleitoral na França, a cena política da Alemanha também tem tirado o sono dos investidores, destaca a Reuters. Pesquisa recente revelou que o Partido Social-Democrata da Alemanha venceria os conservadores da chanceler Angela Merkel caso as eleições fossem agora.

Mais uma vez, o Banco Central não anunciou qualquer intervenção no mercado de câmbio.

O ingresso de dólares na economia brasileira superou a retirada de recursos em US$ 3,66 bilhões em janeiro, informou o Banco Central nesta quarta. No começo de fevereiro (1º a 3), porém, houve mais saída que entrada de recursos do país, no valor de US$ 1,8 bilhão.

Último fechamento

Na terça-feira, o dólar caiu 0,28%, a R$ 3,1172 na venda. Nesta semana, o dólar já caiu 0,2% em relação ao real. No mês e no ano, há queda acumulada de 1,07% e 4,08%, respectivamente.

Fonte: http://g1.globo.com/economia/mercados/noticia/dolar-cotacao-em-822017.ghtml

Dólar sobe ante o real, de olho em eleições na Europa

O dólar abriu a terça-feira (7) em alta ante o real, em sintonia com o comportamento da moeda no mercado externo em meio a um ambiente de maior aversão ao risco devido às tensões sobre as eleições na França e na Alemanha.

No entanto o mercado de câmbio vive a expectativa de ingresso de recursos no país com as recentes captações de empresas brasileiras no exterior.

Às 9h29, o dólar avançava 0,253%, a R$ 3,1339 na venda, depois de terminar na véspera praticamente estável, a R$ 3,1260.

Acompanhe a cotação ao longo do dia:

Às 9h06, alta de 0,28%, a R$ 3,1346

O Banco Central novamente não anunciou qualquer intervenção no mercado de câmbio para esta sessão, por ora.

Dólar sobe ante o real, de olho em eleições na Europa

Moeda fechou praticamente estável na véspera, a R$ 3,1260.

O dólar abriu a terça-feira (7) em alta ante o real, em sintonia com o comportamento da moeda no mercado externo em meio a um ambiente de maior aversão ao risco devido às tensões sobre as eleições na França e na Alemanha.

No entanto o mercado de câmbio vive a expectativa de ingresso de recursos no país com as recentes captações de empresas brasileiras no exterior.

Às 9h29, o dólar avançava 0,253%, a R$ 3,1339 na venda, depois de terminar na véspera praticamente estável, a R$ 3,1260.

Acompanhe a cotação ao longo do dia:

Às 9h06, alta de 0,28%, a R$ 3,1346

O Banco Central novamente não anunciou qualquer intervenção no mercado de câmbio para esta sessão, por ora.

FONTE: http://g1.globo.com/economia/mercados/noticia/dolar-cotacao-de-07-02-17.ghtml

Dólar vira e passa a subir após ser cotado a R$ 3,10

Na véspera, moeda recuou 0,77%, vendido a R$ 3,1276, menor patamar de fechamento desde 25 de outubro (R$ 3,1065).

O dólar opera em alta nesta terça-feira (31), após ter caído a R$ 3,10 mais cedo, de olho no mercado externo e influenciado pelo leilão de linha anunciado pelo Banco Central.

Às 15h39, a moeda norte-americana subia 0,69%, vendida a R$ 3,1494. Veja a cotação.

Acompanhe a cotação ao longo do dia:

Às 9h09, queda de 0,16%, a R$ 3,1223
Às 10h19, queda de 0,72%, a R$ 3,1048
Às 12h10, alta de 0,28%, a R$ 3,1364
Às 13h59, alta de 0,60%, a R$ 3,1464
Às 14h40, alta de 0,60%, a R$ 3,1465

fonte  G1

Crescimento da zona do euro deve desacelerar em 2017

Principal motor, que é a demanda doméstica, irá diminuir, diz comissão.  Crescimento diminuirá para 1,7% neste ano, ante 2% em 2015.

09/11/2016 10h39 – Atualizado em 09/11/2016 10h41

O crescimento da zona do euro vai desacelerar no próximo ano porque seu principal motor, a demanda doméstica, irá diminuir como resultado de um provável aumento dos preços da energia, enquanto a inflação deve acelerar, disse a Comissão Europeia nesta quarta-feira.

Em uma projeção econômica regular para os 28 países que compõem a União Europeia, o braço executivo da UE disse que o crescimento nos 19 países que compartilham o euro diminuirá para 1,7% neste ano, ante 2% em 2015, e para 1,5% em 2017. A expansão só deve se recuperar novamente em 2018, para 1,7%.

A inflação, que o Banco Central Europeu quer manter abaixo mas perto de 2% no médio prazo, deve acelerar a 0,3% neste ano ante zero no ano passado, e para 1,4% em 2017 e 2018, disse a comissão.

Fonte

Arrecadação de impostos federais cai 2,97% em 2016, a R$ 1,29 tri

A arrecadação de impostos federais totalizou R$ 1,29 trilhão em 2016, queda de 2,97% na comparação com o ano anterior, informou a Receita Federal nesta sexta-feira (27). Foi o pior resultado em seis anos, desde 2010. No mês de dezembro, a soma arrecadada foi de R$ 127,607 bilhões, 1,19% menor que o valor registrado no mesmo mês de 2015. De acordo com a Receita, foi o pior desempenho para o mês desde 2009. (Com Reuters) Leia Mais